CNSC se reúne por três dias na sede da FASUBRA para discutir a carreira



A representação da FASUBRA na Comissão Nacional de Supervisão de Carreira (CNSC), uma das prerrogativas da Lei 11.091/2005, reuniu-se na sede da FASUBRA Sindical nos dias 16, 17 e 18 de janeiro, para avaliar, sob a ótica da atual conjuntura, o PCCTAE – Plano de Carreira Dos Cargos Técnico-administrativos em Educação, buscando o aperfeiçoamento da carreira e para analisar decretos e portarias publicadas recentemente pelo governo que podem atingir a categoria.

A CNSC é composta pelos técnico-administrativos Lara Negreiros Gobira, Gisele Rosa de Oliveira, Marcelo Rosa Pereira, Fátima dos Reis, Cenira Soares da Matta, José Almiran Rodrigues, Tônia Duarte e Mozart Robério de Siqueira. As coordenações jurídica e geral da FASUBRA também acompanharam as reuniões.

Pela Lei 11.091/2005, também foi definido que cada Instituição Federal de Ensino deve ter uma Comissão Interna de Supervisão (CIS), com a finalidade de acompanhar, orientar, fiscalizar e avaliar a implementação do Plano de Carreira no âmbito da respectiva Instituição e propor à CNSC as alterações necessárias para seu aprimoramento.

A CNSC estabeleceu um cronograma de reuniões a cada dois meses, a depender da aprovação da coordenação da FASUBRA, e os relatórios dessas reuniões deverão orientar as CIS a abordar temas relevantes da carreira, fazer levantamento de cargos, de vagas e tratar das necessidades de pessoal.

“Desde que o presidente Temer assumiu o governo não houve mais reunião convocada pelo MEC, pois, o governo não estava aberto à negociação. Estamos há dois anos tentando sistematicamente, mandando pedidos e via parlamentares, inclusive nesse governo já protocolamos pedido de reunião, mas simplesmente o governo não negocia, não senta com a Federação, estamos insistindo para que sejamos respeitados e tenhamos nossa negociação”, destaca o coordenador Jurídico e Relações do Trabalho, João Paulo Ribeiro.

Conforme a também coordenadora Jurídica e Relações do Trabalho, Marillin Castro, esse trabalho de convencimento do governo deve começar nos sindicatos de base, nos estados, articulando com os parlamentares e fomentando a atuação permanentes das CIS “Continuamos lutando em defesa da autonomia e em defesa da educação pública de qualidade”, afirma.

Veja aqui o relatório da CNSC na íntegra.

 

Fonte: Fasubra.

Post a Comment

Your email is kept private. Required fields are marked *

Receba nossas notícias

Verifique sua caixa de email

em cima da hora:

Greve Nacional da Educação – Dia 13 de agosto todos(as) às ruas!